terça-feira, 23 de junho de 2009

Exigências e Cruz...

Tava lendo o blog do Marcos Botelho e tomei uma porrada com uma frase que li lá. Fala que se eu olho para Cristo na cruz e ainda encontro razões para exigir alguma coisa, preciso me converter. putz, cara, arrebentou.
Deus continue abençoando a você, sua família e seu ministério.

O cara tem conteúdo:
http://marcosbotelhodojv.blogspot.com

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Semeador

Tava eu pensando na Parábola do Semeador e tal e me vieram algumas idéias... Eu sempre via as descrições das sementes que caíam pelo caminho e não vingavam ora por a terra ser dura e a semente não penetrar a terra e as aves comerem, outra cai no terreno pedregoso, terra rasa, nasce rápido, pouca raiz, morre... A outra cai no meio dos espinhos, os espinhos oprimem a plantinha... e ela morre... Até que finalmente o Semeador semeia na terra boa e a coisa acontece, 30 por 01, 60 por 01 e até 100 por 01.
Bom, entre outras paradas, uma que me chama a atenção é que de cara, já dá pra sacar que o local preparado para receber as sementes existia e não era na beira do caminho, ou no meio de pedras! Posso entender que era um espaço preparado para receber a semente... Posso também entender que de modo geral, o Semeador não intentou declaradamente ir deixando estas sementes caindo pelo caminho. Isso me lembra quando eu às vezes comentava sobre Jesus com alguém e se essa pessoa não correspondesse da forma que eu esperava, no tempo em que eu determinava, eu a classificava como “beira do caminho”, “sem raiz”, “sufocada pela falta de fé”... Isso sem fazer menção ao fato de que eu acreditava estar fazendo o papel de Semeador! Como se a semente fosse minha! Como se eu tivesse comprado a semente! Como se de alguma forma eu tivesse pago por isso! Além do fato que o que podia estar rolando era que eu estava semeando em lugar ainda não preparado, isso pra não me alongar nas outras possibilidades... Penso que quando Jesus diz ser o “Caminho, a Verdade e a Vida”, Ele não descarta a parábola aqui descrita, mas espera que façamos a ponte entre esta informação e o fato que o semeador ia pelo “caminho”... Então, mesmo as sementes que vão caindo pelo “caminho” não estão de fora da soberania dEle! Isso sem nem mencionar que se a semente é a “Palavra”, quantas vezes eu mesmo sou diferentes tipo de terreno, para diferentes dias e mensagens que ouço de Deus para mim? Indo além, afinal o papo é de joio (rsrs), quem garante que a terra da parábola, enquanto espaço geográfico, não era ela a mesma “terra” em si, não era parte da mesma “propriedade”, a mesma “pessoa”, vivendo momentos e tempos diferentes na Vida enquanto o Semeador busca o lugar preparado (e isso leva tempo... muito ou pouco, mas leva tempo...), e o Semeador sabia exatamente onde e quando semear para obter o êxito? E assim que encontra o lugar no momento certo, faz a semeadura? Bicho, só me lembro de uma música antiga do Enrico (Nery, o cara é foda!) que dizia mais ou menos assim: “Seja o meu coração como a terra boa, onde cai a semente e dá o bom fruto. E o fruto do Espírito é um coração transformado na fé, alguém que agora sempre fica em pé, para ajudar a quem quiser! Seja em Cristo o meu fruto perfeito...”
Então brother, fico feliz demais por não ser o Semeador um ser humano (falho como eu...), pois ele não desiste de mim quando vem pelo caminho e vê algumas plantinhas mortas, secas, quando ele vê uns passarinhos felizes de pança cheia, e continua caminhando até o lugar certo e pra ver os frutos em 30, 60 e talvez até 100 por cada semente...
Né...
Paz a todos.
Gutto